quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016


Viajar, num sentido profundo, é morrer. 
É deixar de ser manjerico à janela do seu quarto e desfazer-se em espanto, 
em desilusão, em saudade, em cansaço, em movimento, 
pelo mundo além.

 Miguel Torga